Orgasmo… o Prazer dos prazeres!

Foto: Coisa mais bonita – Flaira Ferro

 

 

Por Magali Marino

Fala-se muito, hoje em dia, sobre a ditadura do orgasmo feminino que nos cobramos ter que gozar a qualquer custo. Essa busca não deve ser vista como negativa, ao contrário, nós mulheres passamos muito tempo sem o direito ao nosso prazer sexual. Hoje, depois de muitas lutas, precisamos nos construir na nossa sexualidade.  Quando uma mulher não chega ao orgasmo é importante pesquisar as causas da dificuldade, se o problema é físico ou emocional para que possa ser tratado, não deixando um sentimento de baixa  auto-estima. Quando os sintomas são físicos como, por exemplo, a DST (Doença Sexualmente Transmissível), o tratamento é medicamentoso sob a orientação médica.  Outro sintoma físico de impedimento do orgasmo é a falta  de lubrificação vaginal que causa dores na penetração. Neste caso, eu costumo indicar o óleo de coco após o banho.  Coloca-se  o óleo nos dedos indicador e médio e insere no canal da vagina, promovendo uma sensação bastante agradável.

imagem do óleo de coco

As pesquisas indicam que a maioria do impedimento do orgasmo não está relacionado a causas físicas e sim emocionais. O  tratamento psicológico  é  importante para descobrir os sintomas  que estão levando a pessoa à  angústia e ao sofrimento.

As causas emocionais são muito vastas, porém cada pessoa tem uma forma única de ser, portanto deverá descobrir  quais as dificuldades individuais que impedem o prazer sexual. Tocar no corpo, descobrir os pontos de sensibilidade, se masturbar são excelentes caminhos para  se libertar das amarras e viver com satisfação a nossa  sexualidade.  Nosso corpo nos pertence, por isso podemos e devemos nos conhecer através do toque. Digo sempre nas palestras  que  realizo, no consultório  e no meu programa da TV que  é preciso tratar as dificuldades da sexualidade sabendo que não existe fórmulas mágicas para se chegar ao orgasmo, tratar os conflitos emocionais e corporais é um caminho de saúde.

Muitas vezes o sexo é visto como algo feio, sujo e vergonhoso, um conceito que  continua no inconsciente, principalmente das mulheres.  Esses princípios repressores foram passados desde a Idade Média e se perpetuaram na mente das nossas bisavós e nossas avós. Era dito que mulheres “de família” não podiam mostrar que tinham tesão e desejo para não parecerem vulgares. Esse julgamento distorcido levou as mulheres a reprimirem a expressão do seu prazer sexual, até os dias atuais.

É muito importante que possamos nos sentir merecedoras de viver e de buscar todas as possibilidades nas nossas experiências sexuais, desbravar as trilhas que nos levam ao caminho do orgasmo. No encontro, as preliminares são sempre bem-vindas, os parceiros não devem ter pressa. Fica muito gostoso quando eles  esperam pelo momento do nosso gozo, quando isso não acontece, precisamos dizer que não ficamos  satisfeitas. Acho que uma boa conversa ajuda muito o entendimento.

image

Uma mulher não pode  se acomodar e achar que é diferente das outras mulheres. É importante ir em busca do Orgasmo, esse Prazer traz muitos benefícios à mente, ao corpo e ao espírito.

Para ajudar em todas essas investigações necessárias, o especialista mais indicado é o psicólogo. É importante quebrar  tabus e ir em busca de ajuda.

 NÓS MERECEMOS VIVER SEM A VERGONHA DE SER FELIZ !

*Se quiser comentar ou tirar dúvidas escreva nos comentários abaixo ou no blogasmo@gmail.com

________________

Magali Marino – Psicóloga, Psicoterapeuta Corporal em Análise Bioenergética, Sexóloga e Mestra em Design Estratégico.

5 thoughts on “Orgasmo… o Prazer dos prazeres!

  1. Isso precisa ser propagado mesmo.
    Muitas mulheres nunca experimentaram o gozo e muito menos falar com seus parceiros.
    O diálogo apimenta a relação.

    1. Del, muito obrigada pela tua contribuição no nosso blogasmo. Pois é, saber que cerca de 70% das mulheres não sentem o orgasmo e isso por conta de tanta repressão que vivemos ao longo de séculos e séculos. É preciso trazer a sexualidade para ser vista como saúde e qualidade de vida e que nós possamos trazer para o diálogo entre os casais
      Beijo

  2. Acredito que o mais difícil não seja as mulheres não conhecerem seus corpos ou não atingirem seus orgasmos, o goso plenamente.O que mais me preocupa é a cultura do corpo e da mente que tem que estar a serviço do prazer do outro.Levando as mulheres a introjetarem e forjar em suas mentes a necessidade da subserviência e manipulação de seus corpos pelo parceiro/parceira de uma relação socialmente aceitável.É preciso libertar as meninas, dessas próximas gerações, com educação sexual pautada pela liberdade de serem felizes e responsáveis em consonância com suas responsabilidades, sobre sua saúde sexual, mental e reprodutiva.

    1. Lylia, grata pela sua excelente contribuição. Precisamos, sim, levar a essa nova geração de mulheres a apropriação dos seus verdadeiros desejos, tomando consciência das suas descobertas e da sua autonomia

Deixe uma resposta para Lylia Roseanne Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *