Nossa primeira independência! Respirar por nossa conta.


O processo da gestação é um momento muito confortável para o bebê. Ali ele recebe o necessário para que possa crescer… Cresce e se desenvolve por estar dentro de uma bolha que o protege, recebe afeto, nutrientes fundamentais para uma formação saudável.

Chega um momento em que o bebê cresce tanto que aquela bolha torna-se desconfortável. Esse espaço apertado e incômodo  leva naturalmebte o corpo do bebê a iniciar a busca pela Porta de Saída . Ali ele sinaliza que está pronto para a expansão, para promover ao seu corpo liberdade de movimentos.

Nessa passagem para um outro universo a primeira solicitação  da natureza é que ele busque oxigenar  os seus pulmões. Afinal, o cordão foi cortado e foi dada a largada ao início do primeiro momento de autonomia:

RESPIRAR POR CONTA PRÓPRIA!!!

Agora vamos pensar junto comigo: Por que à medida que o tempo passa e que vamos crescendo, perdemos o caminho da Porta de Saída? Situações que a vida promove  nos deixando, muitas vezes, dentro de uma “bolha apertada”, incômoda e pequena e que apesar de percebermos  não conseguimos encontrar caminhos de saída. Continuamos ali , quietos, imobilizados, paralisados, com movimentos restritos e já nem  sentimos o desconforto…nos conformamos.

Temos que pensar onde é que perdemos, muitas vezes,  autonomia de decidir sobre a nossa vida. Mesmo vivendo momentos de insatisfação, permanecemos na nossa ilusória zona de “conforto”.

Um dia, quando bebês, tivemos essa “autonomia” conferida pela natureza de encontrar o caminho quando a bolha tornou-se desconfortável.

São os medos que construímos ao longo do percurso da nossa vida que nos faz embotar, paralisar, perder a nossa Porta de Saída para novas possibilidades. Junto ao medo a respiração vai ficando curta e de sobrevivência, já não se respira mais com a plenitude dos bebês.

Quando o medo está no comando, se perde a expansão e contração natural que o diafragma realiza na respiração, se perde também a expansão da vida e às possibilidades de se viver e decidir com autonomia aquilo que desejamos.

Precisamos abrir as nossas portas, respirar fortemente com nossos pulmões para que sejamos Protagonistas da nossa história.

NÃO PARALISE NO MEDO, use-o como Processo de Transformação!

8 thoughts on “Nossa primeira independência! Respirar por nossa conta.

  1. Parabéns!
    Muito bem escrito.
    O pensar sobre o q nos paralisa deve ser constante.
    O goso pela vida…..poucos tem…..
    Eu aprendi a amar está viva com a minha mãe.
    E cultivo isso todos os dias.

    1. Obrigada Del, sei muito bem que a sabedoria e a Pulsão de Vida da tua mãe, Dona Hilda, é exemplo para muitas pessoas, inclusive para mim.
      Beijo grande querida

  2. Respirar é para sempre….no dia a dia precisamos prestar atenção à nossa respiração e aciona-la de forma totalmente consciente em momentos críticos, físico, emocional, social….

    1. Pois é , Kátia, o tomar consciência da necessidade de expandir nossa respiração e exercitar nosso diadragma, possibilita-nos lidar bem melhor com os estresses, assim como os momentos de Prazer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *